No início do século XVI existiam apenas terras indígenas na região, sendo uma delas a aldeia CAPOCU, cujas terras pertenciam ao governo da 5ª Comarca de São Paulo. Em 1800 surgiu, junto à fazenda CAPOCU outra fazenda denominada RIO GRANDE, ou GRANDE RIO, porque se desenvolveu às margens do Rio Iguaçu.

Esses dois povoados originados pelas duas fazendas, passaram a ser denominados de Fazenda Rio Grande, que juntamente com outros povoados desta região em 25 de julho de 1960, foram desmembrados de São José dos Pinhais formando o Município de Mandirituba. Em 1981, através da lei 7521, publicada no Órgão Oficial do Estado Nº 1.171, no dia 17 de novembro de 1981, assinado pelo então Governador Ney Braga, Fazenda Rio Grande tornou-se Distrito Administrativo do Município de Mandirituba. A emancipação de Fazenda Rio Grande se deve a um contexto sócio-econômico específico, que está atrelado ao crescimento da grande Curitiba ao final da década de 70.

A partir de 1975 com a quase erradicação da produção de café na Região Norte do Paraná, houve um grande movimento de êxodo rural no Estado, o qual atraiu para a Região Metropolitana de Curitiba muitas pessoas. O Município de Fazenda Rio Grande, começou a se tornar realidade em 15 de setembro de 1989, através do Projeto de Lei nº 229/89, de autoria do Deputado Estadual Aníbal Khury. Em 26 de janeiro de 1990 através da Lei Estadual nº 9.213, sancionada pelo então Governador Álvaro Fernandes Dias, nas dependências da Churrascaria 22, na presença de mais de três mil testemunhas, foi criado o município de Fazenda Rio Grande. Hoje Fazenda Rio Grande se caracteriza por ser um dos municípios brasileiros que mais cresce, apresentando um crescimento populacional na ordem de 10% ao ano, sendo sede de Comarca, desde 1999. A instalação do Município no dia 12 de abril de 1991, às 13:30 horas no Fórum da Comarca de São José dos Pinhais, pelo então Juiz de Direito Dr. Raul Luiz Gutmann, publicada no Diário da Justiça através do decreto nº 360.

Criação do município: 26 de janeiro de 1990

Instalação do município: 1 de janeiro de 1993

Aniversário: 26 de janeiro

Das nascentes do Rio Iguaçu
E dos índios que aqui habitavam
Surgem os pioneiros da terra
Capucu no principio a chamaram

No trajeto de nobres tropeiros
Que a Fazenda Rio Grande hospedava
Criação de cavalos de raça
Economia que aqui iniciava

Refrão

Povo simples e trabalhador
Que de todos os cantos surgiu
Tornam o coração fazendense
Hospedeiro do imenso Brasil

Olarias e agricultores
Deram impulso à fase industrial
Berço nobre recanto de flores
Despertou junto à capital

Na bandeira de cores e símbolos
Estampamos a sua beleza
No ideal de uma jovem cidade
Que no trabalho produz nossa riqueza.

BANDEIRA
bandeira_fazenda

A Bandeira obedecerá às seguintes regras:

Para cálculo das dimensões, tomar-se-á por base a largura desejada, dividindo-se esta em 14 (quatorze) partes iguais que serão consideradas módulos;

O comprimento será de 20 (vinte) módulos;

A Bandeira, na cor azul será cortada por uma faixa branca, que terá 7 (sete) módulos de largura , ondulada e diagonalmente traçada, iniciando-se na parte superior, à esquerda, entre os módulos 1 (um) e 7 (sete) e terminando na parte inferior, à direita, entre os módulos 7 (sete) e 14 (quatorze);

O Brasão de Armas do Município ficará centralizado, na altura, entre os módulos 5,5 (cinco e meio) e 8,5 (oito e meio) e no comprimento entre os módulos 8,5 (oito e meio) e 11,5 (onze e meio).

BRASÃO
brasao

O Brasão obedecerá às seguintes regras:

Conterá, na sua parte inferior, uma faixa de cor amarela, representativa de Luz e Sabedoria, com a inscrição, em cor preta, da data 26.01 à esquerda e 1990 à direita, entremeadas da inscrição FAZENDA RIO GRANDE, representando a data de criação do Município;

Será encimado por uma coroa mural cor de prata, de oito torres, das quais apenas cinco são visíveis em perspectiva e classifica a cidade representada em sua segunda grandeza, como sede de Comarca;

Dispostas na parte interna direita haverá 3 (três) engrenagens em metal argente (prata) simbolizando paz, amizade e trabalho, representando a mão-de-obra na indústria, através da conotação de que uma força pequena pode mover uma maior que, por sua vez, move outra maior ainda;

No abismo, está representado o Cruzeiro do Sul, em ouro, simbolizando a união de um povo e sua força;

Os pinheiros estilizados de sinopla (verde), emoldurando o Brasão, lembram a característica de toda a região sul brasileira e o portal de uma fazenda simbolizando a proteção do Município;

O rio, em cor azul, transversal, representando a nascente do Rio Iguaçu no Município, simboliza Justiça, Caridade e Lealdade.

CORES

A cor azul da Bandeira representa a Justiça e a Lealdade e a faixa branca caracteriza a fluidez de um rio em movimento, simbolizando a dinâmica de uma cidade.