Semana Nacional de Combate ao Aedes Aegypti é encerrada com blitz educativa.

Semana Nacional de Combate ao Aedes Aegypti é encerrada com blitz educativa

- Semana Nacional de Combate ao Aedes Aegypti é encerrada com blitz educativa.

Nesta última semana, marcada como Semana Nacional de Combate ao Aedes Aegypti, todos os municípios do país estiveram envolvidos em ações de combate ao mosquito Aedes aegypti, causador da dengue, zika vírus, chikungunya e febre amarela.

Em Fazenda Rio Grande, o Comitê Municipal de Mobilização Social de Prevenção e Controle da Dengue, estabeleceu uma séries de ações que foram desenvolvidas durante todos os dias da semana e encerrada com uma blitz educativa na Rua Efigênio Pereira da Cruz. No rol de atividades, foram realizadas, visitas domiciliares na comunidade para a detecção de potenciais criadouros; atividades lúdicas na escola, demonstrando a importância do combate ao mosquito; distribuição de materiais informativos e educativos, murais, roda de conversa com a população usuária do CAPS Municipal e visitação no comércio local.  Segundo a diretora de Vigilância em Saúde, Nelcelí Garcia; a mobilização pretendeu mostrar que a união de todos, é a melhor forma de derrotar o mosquito, principalmente nos meses mais críticos que vão de novembro a maio, considerado o período endêmico para essas doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, considerando que nesse período, o calor e as chuvas são condições ideais para a sua proliferação.

“O período de calor, requer atenção redobrada e intensificação dos esforços para não deixar o mosquito nascer e se proliferar no município. No caso da população, além dos cuidados, como não deixar água parada nos vasos de plantas, é possível verificar melhor as residências, apoiando o trabalho dos agentes de endemias. Esses profissionais utilizam técnicas simples e diferenciadas para vistoriar as casas, apartamentos e espaços abertos”, explica a diretora.

Segundo os dados apontados pelo Ministério da Saúde, houve redução de casos das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti, entre janeiro e novembro de 2018, em comparação com o mesmo período de 2017. Contudo, alguns estados apresentam aumento expressivo de casos de dengue, zika ou chikungunya. Por isso, é necessário manter estado de alerta e intensificar agora as ações de eliminação de possíveis criadouros, para evitar surtos e epidemias das três doenças no verão pois, uma vez que ocorre a proliferação do mosquito, a eliminação se torna extremamente difícil.

O secretário de Saúde Rejomar Andrade, envolvido no combate às epidemias, afirmou que o combate ao Aedes aegypti é permanente no município dentre as prioridades da Vigilância em Saúde.

Dentre as complicações causadas pela dengue, que é apenas uma dentre as doenças que o Aedes transmite, são:  desidratação grave, complicações neurológicas ou respiratórios; problemas hepáticos, cardiológicos e sangramentos podendo levar a morte.